Por meio do Projeto Sementes Presentes - Alimento e Trabalho no Campo, que integra a Estratégia de Enfrentamento da Pobreza no Campo, o Governo de Minas lançou, nesta quarta-feira (4), o segundo campo de sementes crioulas do estado.  O campo ocupará um hectare da Fazenda Acauã, da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), no município de Leme do Prado, no Alto Jequitinhonha. O primeiro campo está localizado na Fazenda Cantinho, da Fundação Educacional Caio Martins (Fucam), em Juvenília, Norte de Minas.

No território Norte, foi inaugurado, dia 28 de junho, um campo de sementes crioulas na fazenda da Fucam, de Juvenilha. Nesse evento, foi anunciado o investimento de quase R$ 1 milhão para distribuição de sementes nesse território.

O projeto Sementes Presentes, entre outros objetivos, busca assegurar o direito dos agricultores familiares de produzirem suas próprias sementes crioulas ou de forma individual ou comunitária, garantindo o princípio da soberania alimentar. De forma geral, as sementes crioulas são variedades desenvolvidas, adaptadas ou produzidas por agricultores familiares, assentados da reforma agrária, quilombolas ou indígenas, e passadas de geração em geração.

Lançamento Campo de Sementes Crioulas na Fazenda Epamig, em Leme do Prado, Alto JequitinhonhaAlém do lançamento dos campos de sementes crioulas, a equipe técnica do projeto realizou encontros de avaliação e de elaboração de Plano de Trabalho para 2018 nos territórios em que a iniciativa foi implantada. Já foram feitas reuniões em Montes Claros (26/06), Januária (26/06), Salinas (26/06), Araçuaí (25/06), Diamantina (28/06), Governador Valadares (29/06) Almenara (04/07) e Teófilo Otoni (05/07).

“Com esses últimos encontros, fechamos os cinco territórios, com envolvimento direto de 229 municípios. Estamos dialogando com mais de 600 pessoas, entre gestores e técnicos municipais, estaduais e integrantes dos Conselhos Municipais de Desenvolvimento Rural e Social”, afirma a assessora de Projetos Especiais da Sedese, Aidê Cançado.

Também estiveram presentes nas reuniões os representantes de movimentos sociais e de agricultores familiares. Nos primeiros cinco encontros, quase 300 pessoas, de mais de 80 municípios, participaram da avaliação das ações e da construção dos planos de trabalho para o ano de 2018. Entre as definições, permanece o Cadastro Único como referência para seleção das famílias com maior vulnerabilidade social e em condições de produzir, o que vai garantir a segurança alimentar desses indivíduos, e até mesmo gerar renda com o excedente da produção.

“O ponto principal do planejamento foi a seleção das famílias, como e em qual período será feita, quem vai participar de cada etapa. Depois disso, outro aspecto é como as famílias serão informadas sobre a entrega de sementes. Os próximos passos são a entrega propriamente dita das sementes e o acompanhamento das famílias beneficiadas”, explica Aidê Cançado.

Outra questão discutida nos encontros é o fortalecimento da integração do Sementes Presentes com outras ações da Estratégia. Uma dessas ações é relacionada à entrega de kits irrigação para famílias que receberem sementes e também a instalação de sistemas simplificados de abastecimento de água nas comunidades onde há necessidade de água para beber. Essas ações são desenvolvidas pela Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa) e pela Emater. “O acesso à água é a primeira condição para a família ter saúde, ter direito à vida e poder fazer pequenos plantios”, explica a assessora.

O grande objetivo desses encontros foi a integração de ações da Estratégia de Enfrentamento da Pobreza no Campo para viabilizar melhores resultados, maior eficiência e eficácia dos projetos, especialmente, o Sementes Presentes, que foi a discussão central nesses encontros. “O projeto tem um alcance muito grande, está agora abarcando todos os municípios de abrangência da Estratégia. Ele tem movimentado a economia local, por meio da aquisição de produtos da agricultura familiar para a alimentação escolar”, avalia Aidê.

Aquisição de produtos da agricultura familiar

Segundo a assessora, um dado bastante relevante, resultado do projeto Sementes Presentes, é que a superintendência regional de ensino de Montes Claros destinou mais de R$ 1 milhão para aquisição de produtos da agricultura familiar.

Em Januária, o valor destinado para essa mesma ação foi mais de meio milhão. “Esses valores demonstram o alcance e importância do projeto”, afirma a assessora. Haverá outro edital que será publicado no final de julho para uma nova rodada de aquisição de produtos da agricultura familiar. “Esses planejamentos que nós fizemos nesses locais vão contribuir para essa nova etapa do projeto Sementes Presentes”, revela Aidê.

Com relação à Estratégia de Enfrentamento da Pobreza no Campo, foi constatado que somente no território Norte, cujas cidades polos são Salinas, Montes Claros e Januária, são desenvolvidas 30 das 42 ações da Estratégia. Dentre essas ações, destaca-se 7.395 ligações elétricas realizadas pela Cemig para domicílios na área rural. Além disso, 4.668 famílias foram beneficiadas pela Emater e Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agrário (Seda) no programa Brasil sem Miséria.

Por meio do programa foram adquiridos 105 ônibus para o transporte escolar pela Secretaria Estadual de Educação e direcionados para escolas do campo do território Norte. Foram atendidos 10.631 estudantes com educação integral nas escolas do campo. “A educação integral é um fator muito importante na superação da pobreza intergeracional. Assim como o acesso à energia elétrica, ela também tira a família de uma condição de extrema pobreza e dá acesso a melhores condições de vida e à possibilidade de produzir. Todas essas ações retratadas nesse encontro mostram a importância da Estratégia e como que ela vem buscando atuar de forma integrada nos municípios e por território de desenvolvimento”, afirma Aidê.

Ampliação do projeto

Em 2018, 70 novos municípios foram integrados ao projeto Sementes Presentes, passando a ser desenvolvido nos 229 municípios. “É uma ação, portanto, que vai passar a acontecer em todos os municípios da Estratégia de Enfrentamento da Pobreza no Campo”, esclarece a assessora da Sedese. Em 2017, 159 municípios foram abrangidos pelo programa.

Outra novidade é que, este ano, 5% das famílias que irão receber sementes, receberão também assistência técnica e extensão rural da Emater. “Isso fortalece o projeto no eixo segurança alimentar e nutricional”, finaliza Aidê.